fbpx

Conheça o projeto de pregador de roupa que usa o Design para oferecer bem-estar

Some invertebrados aos ensinamentos do Design e você terá soluções para problemas que muita gente nem sabe que existem. Pode até parecer uma mera frase de efeito, mas o estudante Lucas Betmann e seu pregador de roupas Mantis mostram que criatividade e inovação podem facilitar o dia a dia e dar mais qualidade de vida a muita gente.

 

Em meio às pesquisas corriqueiras do curso de Design na CESAR School, Lucas encontrou um problema e uma solução inusitada: uma boa ideia cujo estudo inicial, em forma de artigo, foi aceito no IX Encontro de Sustentabilidade em Projeto, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Da inspiração do louva-a-deus, um inseto encontrado em todo o mundo, vem um pregador de roupa habilitado a pessoas com problemas da motricidade fina. Vem também um caso prático de como a inteligência do Design pode estar inserida em (quase) tudo.

 

“Dispomos de metodologias, métodos, processos e ferramentas envolvendo as práticas projetuais que nos auxiliam a desenvolver/solucionar diversas problemáticas em diferentes contextos”, explica o professor Antônio Roberto, da graduação em Design CESAR School, refutando a insistente associação dessa ciência somente às atividades estético-formais.

 

O projeto de Lucas, continua Antonio Roberto, foi fruto das metodologias e processos de Design apresentados nas disciplinas de Representação Tridimensional, Design de produtos e Fabricação Digital, ministradas no 4°, 5°e 6° período respectivamente que fazem parte da grade curricular do curso de bacharelado em Design, em que ministro na CESAR School. 

 

Criador e criatura

Ex-estudante de Engenharia, Lucas cursa o 7° período de Design na School. A mudança de curso, e de rumo, tem a ver com as intenções do estudante que sabia que queria “produzir algo”, mas que faltava algo na primeira escolha. “Comecei a interagir com pessoas e descobri que Design tinha mais a ver comigo”, conta. A decisão pela CESAR School teve um diferencial: estar inserida no ecossistema do Porto Digital e poder “colocar a mão na massa” desde cedo.

 

O tal pegador “louva-a-deus” é projeto da disciplina de Fabricação Digital, ministrada pelo professor Antonio Roberto. “A proposta do trabalho era a gente desenvolver uma manufatura aditiva ou subtrativa. Nessa época, eu estava com o ‘projetão’ com a clínica escola de Fisioterapia da UFPE. Não havia uma ligação direta entre as duas atividades, mas a professora lá falava muito que a nossa maior ferramenta de interação com o mundo são as mãos”, explica Lucas, sobre a origem da ideia.

 

Na verdade, o trabalho levou Lucas além. Do Design, ele passou a buscar a Fisioterapia, as limitações de movimento, a motricidade fina, neuropatias (doenças nos nervos), o movimento de pinça (rebuscado, mas que a gente nem se dá conta por já ser corriqueiro), o redesign, a estrutura de vertebrados e, por fim, a do invertebrados. Para chegar ao pegador de roupas, Lucas começou a investigar a mordedura dos vertebrados e os tipos de alavancas. “Eu pude usar a metodologia que quisesse e comecei a estudar biomimética. Eu queria alguma coisa que prendesse e que não soltasse, aí fui para bocas de bichos até chegar às garras raptoriais do louva-a-deus”.

 

O professor Antonio reforça: um designer está habilitado para inúmeras áreas, aproximando-se de outras áreas de conhecimento como Física, Biologia, Ciência da Computação, Biofísica, Biomecânica, as neurociências, as matemáticas complexas e a cibernética, entre outras. “A atividade do Design, quando relacionada ao ato de projetar, não possui fronteiras definidas, e não necessariamente lineares. O caminho de atuação dos conceitos de Design se dá a cada nova necessidade definida no processo de Design”, ensina. 

 

Lucas pretende continuar com o projeto no Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) com as etapas que precisam ser cumpridas até que ele esteja estruturado para, quem sabe, ser oferecido ao mercado.

 

Rolar para cima

Onde estamos

Rua Bione, Cais do Apolo, 220, Recife - PE, 50030-390